Fale com o governo

Fórum de governadores debate melhoria do ambiente econômico do País

Governadores e representantes de 17 estados brasileiros reuniram-se na manhã desta terça-feira (30) com o chefe do Executivo local, Rodrigo Rollemberg, em mais um encontro do Fórum Permanente de Governadores. No encontro, na Residência Oficial de Águas Claras, foram tratados temas para a melhoria do ambiente econômico do País.

O objetivo, segundo Rollemberg, foi traçar uma agenda positiva de interesse dos Estados e da sociedade, com assuntos como a ampliação do prazo para pagamento de precatórios. “Também vamos trabalhar para que a compensação previdenciária possa ser descontada, e aquilo que a gente tem a receber da União seja descontado daquilo que pagamos de INSS todos os meses. Isso vai desafogar o governo de Brasília, especialmente diante do que pagamos ao Iprev [Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal].”

Os governadores ainda debateram o projeto de lei que permite a securitização de dívidas. “Estamos fazendo um esforço tamanho para que os governos estaduais consigam pagar suas dívidas com os servidores públicos, os fornecedores e os prestadores de serviço e que tenhamos recurso para fazer investimentos tão importantes para a melhoria de vida da nossa população.”

Agora à tarde, a pauta será discutida com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Rodrigo Maia.

Além de Rollemberg, participaram do fórum os governadores do Acre, Tião Viana; de Alagoas, Renan Filho; da Bahia, Rui Costa; do Ceará, Camilo Santana; de Goiás, Marconi Perillo; de Minas Gerais, Fernando Pimentel; de Pernambuco, Paulo Câmara; do Piauí, Wellington Dias; do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão; do Rio Grande do Norte, Robinson Faria; de São Paulo, Geraldo Alckmin; de Sergipe, Jackson Barreto; e do Tocantins, Marcelo Miranda.

Também compareceram as vice-governadoras de Mato Grosso do Sul, Rose Modesto; e da Paraíba, Ana Lígia Feliciano; e o vice do Rio Grande do Sul, José Paulo Dornelles. O Espírito Santo foi representado pelo chefe de Gabinete do governo, Paulo Roberto Ferreira.

Doações legais e declaradas

Mais cedo, em visita a obras no Sol Nascente, em Ceilândia, Rodrigo Rollemberg, falou sobre acusações de que teria recebido, em 2014, propina disfarçada de doação oficial para a campanha ao cargo de governador de Brasília.

“Desafio qualquer executivo da JBS a apontar qualquer contrapartida ou benefício dado pelo governo de Brasília em função dessas doações. Muito pelo contrário. O centro de comercialização que eles tinham em Brasília foi fechado porque não encontraram aqui os benefícios tributários que consideravam vantajosos”, disse Rollemberg.

E complementou: “Qualquer doação oficial, se deram esperando qualquer contrapartida, quebraram a cara. Eles fizeram uma generalização, como se toda doação oficial fosse propina. No caso do DF, recebemos R$ 500 mil para o PSB, e o recurso foi transferido paulatinamente para a campanha. E recebemos diretamente R$ 450 mil. Em nenhum momento, foi discutido qualquer benefício ou contrapartida para a JBS. Estamos absolutamente tranquilos em relação a isso”.

EDIÇÃO: RAQUEL FLORES

Mapa do Site Dúvidas frequentes Comunicar erros